M'A'L EVANGELISTA
O complexo da existência na essência da poesia
CapaCapa TextosTextos FotosFotos PerfilPerfil Livro de VisitasLivro de Visitas ContatoContato LinksLinks
Textos


O CORDEL DE ZÉ PAU DÁ


Das andanças lá da Mata
Neste versos vou falar
Conheci uma pessoa
Que tanta humildade na há
Se tornou um grande amigo
E do povo é conhecido
Pelo o nome ZE PAU DÁ

Esse moço é um Valente
Na luta da criação
Pra sustentar a família
Tem amor no coração
Trabalhando noite e dia
Faz com muita alegria
Sem tecer lamentação

Certo dia eu fazia
Uma ronda naquele lugar
Quando vi aquele homem
Um carrinho de mão empurrar
No suor que era dele
Percebi que tinha nele
Vontade de trabalhar

Evangelista é meu nome
O povo já sabe dizer
Mas igual a Ze Pau Dá
Ninguém consegue ser
Metro e meio de altura
Quase outro de largura
E a barba por fazer

Quase outro de largura
Foi apenas brincadeira
Pra fazer graça na rima
Temos que dizer besteira
Mas a barba por fazer
Se alguém for se meter
É melhor pegar a peixeira

Com a barba sem a barba
Ze Pau Dá não vai mudar
Pois a sua alegria
Estampada no rosto está
Seja noite seja dia
O amigo irradia
Todos hão de concordar

O amor da vida Eulina
A medida é Leidiane
A primeira foi a Leila
E a caçula a Eduane
Uma família tão bonita
Que carrega na escrita
Deste Zé o sobrenome

É uma honra para mim
Falar deste irmão
Faço com muita alegria
Por ser um bom cidadão
Nesta rima de amizade
Cada letra uma verdade
Palavras trazem razão

Aproveito nesta hora
Pra dúvida do povo tirar
O apelido que outrora
Pegou no amigo Podá
Pois o mesmo se transforma
Existindo muitas formas
Na maneira de chamar

Uns chamam de ZÉ PAU DÁ
Outros seu ZÉ vão dizer
Mas há que chame PODAR
Razão querendo obter
E vira um grande dilema
E pra resolver o problema
JOSÉ faz questão de atender

Carinho a distribuir
No nome do nobre irmão
Do jeito que o mesmo ouvir
Atende qualquer cidadão
Amigo e fiel companheiro
Guerreiro por ser brasileiro
Pau Darco também é refrão

Em Feira da Mata é querido
Da árvore o vulgo surgiu
Escrito, falado e relido
O fato assim convergiu
Velhinho, rapaz ou criança
Darão a PAU DÁ importância
Do epíteto o mesmo cingiu

Gostaria nessa rima
De poder tudo falar
Vou embaixo vou em cima
Mas o espaço não dá
Nem pau darco nem aderno
Darão conta de caderno
Pra falar de Ze Pau Dá

MAL EVANGELISTA... O Poeta caatingueiro!
Um MAL que só fez bem...


Dedico esta singela homenagem a o grande amigo José Rodrigues de Azevedo, homem humilde, honrado e trabalhador que tive o prazer de conhecer na cidade de Feira da Mata-Ba.

Local onde as pessoas são encantadoras pelo simples fato de contagiar seus visitantes com a energia positiva transferida de suas essências.
MAL EVANGELISTA
Enviado por MAL EVANGELISTA em 27/01/2017
Copyright © 2017. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.


Comentários